Wednesday, June 18, 2008

De amor e de outras mazelas...

Morrer de amor era o sonho que eu tinha no início de minha juventude. Eu vivia repetindo: quero morrer de tuberculose, sofrendo por um amor impossível e ouvindo um samba do Noel - o Rosa!

Daí que os anos passaram... Amores vieram, amores se foram e eu sobrevivi... Apesar de todos os sambas do noel que baixei no meu MP3, a tuberculose nunca me pegou - thanks God!!! E, então, eu descobri que morrer de amor não tá com nada... Byron que me perdoe, mas amor bom é aquele que é possível!!!

E quando os devaneios ultraromânticos são superados, inevitavelmente, a imagem que se tem do amor muda!!

Eu que sonhava com paixões arrebatadoras que redundariam em amores insuperáveis, sentimentos superlativos que me manteriam num redemoinho de sensações que jamais cessariam de me revolver a alma, hoje acredito tanto na possibilidade de algo assim, quanto na existência de fadas e gnomos!

É quando, então, eu me dou conta do tempo perdido com platonismos e elucubrações amorosas que me levaram, por anos, do nada ao lugar nenhum. E aí percebo que tudo o que almejo é encontrar alguém que me desperte admiração, amizade e respeito! E que, além disso, goste de sexo tanto quanto eu!

Pois é, poetas já não morrem de amor e tuberculose, nem ninguém mais faz samba como o Noel... E eu... bem, acabei aprendendo a simplificar as coisas!!!

1 comment:

Marlene'Dias said...

Depois de ler um texto destes a única coisa que consigo fazer é simplesmente sorrir!
Porra! e eu que ainda tou nessa fase do acreditar que é possível morrer por amor... É tão bom não termos, por vezes, os pés assentes na terra.. é tão bom ter "desvaneios ultraromânticos"... o problema é quando a realidade sente aquela vontade ansiosa de nos acordar!

Adorei o texto! Parabéns :)

Ah e peço desculpa pela intromiçao..